Pleno de emoção e profundidade

«Foi com grande expectativa que li Pecados Santos, de Nuno Nepomuceno. Depois da trilogia Freelancer (O Espião Português, A Espia do Oriente e A Hora Solene), que tem como personagem principal André Marques-Smith, o autor ofereceu-nos A Célula Adormecida, que versa sobre um atentado terrorista em Lisboa reivindicado por Daesh, focando-se no Islamismo. Um tema atual e muito bem explorado com o professor Afonso Catalão como personagem central. O professor Afonso é também a personagem principal do último livro do autor, Pecados Santos, que por sua vez tem como pano de fundo o Judaísmo.

Pecados Santos tem por base alguns homicídios de cariz religioso, uma vez que parecem retratar episódios bíblicos. Num desses crimes, é suspeito o filho de uma ex-namorada de Afonso, que, por essa via, numa primeira fase, vê-se envolvido na investigação. Será que há relação entre todos os crimes? Será essa a chave para inocentar o jovem? Estará Afonso disponível em revisitar o seu passado?

Mais uma vez Nuno, ganha pontos! Consegue um livro pleno de emoção e com profundidade. Gostei como o livro foi trabalhado e gostei do facto de que a sua construção tivesse privilegiado a harmonia e um conveniente encadeamento das cenas. A evolução do enredo foi bem gerida e senti-me de imediato parte daquela história.

Afonso, a personagem principal, continua muito enigmático, com muito potencial para livros posteriores. Faz-me lembrar de alguma forma André Marques-Smith, personagem de outros livros do autor. Aqui conhecemos um pouco mais de Afonso; os flashbacks contextualizam a história.

Gostei de uma nova personagem chamada à história, a psicóloga criminal, uma personagem marcada por um acontecimento trágico na primeira pessoa. Apresenta-se frágil e ainda assim arguta nas ilações. O papel que lhe foi atribuído foi inteligente. Gosto de ver numa personagem esta mistura de pontos fortes e fracos bem desenhados e coerentes com o seu papel na história.

Não tenho duvidas que o Nuno está a marcar de uma forma indelével a ficção em Portugal com a dose certa de arrojo, trabalho duro, honestidade e humildade. Tal como no seu precedente, este livro oferece um mergulho em culturas religiosas diferentes, neste caso o Judaísmo, e fá-lo com uma abordagem despida de preconceitos, muito elucidativa e educativa. Foi com curiosidade que me inteirei da razão de vários procedimentos religiosos que antes eram uma incógnita para mim. O livro trouxe um interesse renovado por estas temáticas, levou-me a questionar, a querer saber e a compreender! E só por isto valeria a pena lê-lo-

É de notar que a investigação do autor transparece em todo o livro, oferecendo ao leitor muito mais que uma boa história de ficção. Sente-se o conforto e confiança no discorrer do discurso. A sua escrita tem-se mostrado consistente, harmoniosa e tem evoluído paulatinamente, como convém.

Gostei do final… Inesperado. 😉

Só posso recomendar.»

Pecados Santos, por Paulo Pires, Livros e Marcadores.

Adicionar Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os campos necessários estão marcados com *