Primavera de livros

Apresentação na Biblioteca Municipal do Cadaval dia 14 de abril.

Dei-me conta recentemente que deixei de escrever aqui sobre as apresentações que tenho feito. Redigi uma pequena crónica sobre a minha ida ao clube de leitura do Estabelecimento Prisional da Polícia Judiciária de Lisboa, mas acabei por omitir completamente aquela que até à data foi a melhor de todas. Apanhou-me num momento complicado, numa altura em que estava cheio de solicitações e com mais em mãos do que era capaz de dar conta. Aconteceu a 18 de janeiro, exatamente um dia antes da chegada às livraria de Pecados Santos. Ou, como eu disse na altura, brincando com a situação, no dia em que o livro estava disponível em Bragança.

Foi um excelente trabalho por parte da distribuição da Cultura editora, que tornou possível que o livro chegasse à cidade minhota um dia antes do previsto. E a receção não poderia ter sido melhor. Recordo-me que me levantei cedo, cerca das cinco horas da manhã, peguei no carro, já um pouco atrasado, e que cheguei a Bragança por volta das dez horas (nada de sorrisos irónicos sobre o «pedal», está bem?). A diretora da biblioteca municipal da cidade, quem tinha coordenado os eventos, aguardava por mim. E lá fomos nós a «acelerar» pelo empedrado das ruas históricas. Estava na altura de ir para a primeira escola. Seriam três, ao todo.

Fui recebido por cerca de uma centena de alunos, pela direção do liceu, as funcionárias auxiliares e até duas equipas de televisão locais. Cumprimentei as pessoas, liguei o computador ao projetor e, inesperadamente, senti umas mãos de homem a colocarem-me um microfone portátil. Olhei para a audiência, para a minha imagem que entretanto passara a ocupar a grande tela branca e novamente para os alunos. Respirei fundo e, de microfone na boca, armado em estrela pop, comecei a falar.

Fiz diversas apresentações quando apenas tinha a trilogia Freelancer para mostrar. Acabei por não realizar nenhuma com A Célula Adormecida. Mas não sei se foi a vontade de que tudo corresse bem ou o facto de que, desde essa altura até agora, ter mudado radicalmente o conteúdo que me acompanhava, a verdade é que a ida a Bragança foi excepcional. Os alunos ouviram-me com atenção, fizeram perguntas, conheci uma leitora, uma ex-aluna, que foi lá de propósito só para falar comigo, uma professora que tinha lido todos os meus livros e até se venderam alguns!

Isto tudo para vos dar conta que desta vez irei estar presente na Biblioteca Municipal do Cadaval, uma iniciativa integrada no festival Primavera de Livros e que conta com o apoio da câmara do município. A apresentação está marcada para dia 14 deste mês, no próximo sábado, pelas 15h00, onde irei mostrar um pouco daquilo que tem sido a minha carreira e falar, naturalmente, sobre Pecados Santos. Estarei disponível, claro, para assinar todos os livros que forem necessários. Portanto, vemo-nos por lá.

Adicionar Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os campos necessários estão marcados com *