Entrevista O Cardeal ao blogue Bibidibooks: «Não sou o Dan Brown português».

A entrevista completa que concedi à instagrammer e blogger Bibidibooks pode ser encontrada no site Bibidibooks.com, ou na conta Instagram correspondente. Aqui ficam alguns destaques.

Por Margarida.

 

Após a publicação de vários livros, é em 2020 que atinge o primeiro lugar a nível nacional de vendas de livros com A Morte do Papa. Qual é a sensação ao perceber que algo escrito por si deixou milhares de leitores rendidos?

Considero que tem sido uma situação fácil de encarar, uma vez que a popularidade dos meus livros tem aumentado de modo gradual. A Morte do Papa foi o meu primeiro título com um sucesso praticamente imediato, mas já foi o meu 7º livro em papel, ao fim de 7 anos de carreira.

Nas minha opinião, a escrita de best-sellers traz-nos apenas dois sentimentos: o reconhecimento geral pelo trabalho e empenho que desenvolvemos, o que sabe sempre bem, e a responsabilidade de não dececionar os leitores nos livros vindouros.

 

Camões recorria às ninfas do Tejo em busca de inspiração. Qual é a fonte para a sua? Como é que surgem as ideias?

Trata-se de algo que tem mudado com o tempo, mas que normalmente ainda surge de modo espontâneo. A minha memória é bastante visual; sinto facilidade em ver imagens na minha cabeça, quase como se fossem representações dos capítulos do livro. Por isso, no início, as ideias vinham sobretudo de fotografias ou outro tipo de arte. Por exemplo, A Espia do Oriente, o segundo volume da trilogia Freelancer foi escrito tendo em mente uma fotografia que vira na capa de uma revista de viagens — uma ponte imersa em nevoeiro, onde quis colocar o protagonista num encontro com um traidor. Já Pecados Santos assentou numa música, que acho que define bem o ambiente negro do livro.

Atualmente, muitas da ideias surgem no decurso da pesquisa e durante a visita aos locais onde a ação irá decorrer, onde pequenos pormenores são muitas vezes suficientes para me inspirar. O resto, acaba por surgir no momento, enquanto escrevo o livro. Não faço um plano para o enredo, mas apenas defino pontos de passagem, o que me proporciona muita liberdade e proporciona um livro mais criativo, e como tal, uma melhor leitura a quem o comprar.

 

O mercado editorial em Portugal está a passar por uma grande crise, em que vemos várias editoras a apostar em escritores já conhecidos como forma de recuperar o investimento. Em algum momento após a conclusão dos seus manuscritos sentiu dificuldades no processo de publicação?

Sim, após o primeiro livro. A editora que o publicou inicialmente não quis continuar a trilogia e eu tive de recomeçar tudo, voltando a submeter originais às editoras, um processo que durou quase dois anos. A partir daí, as coisas tornaram-se mais fáceis.

O ano de 2021 começou da melhor forma com o lançamento do seu novo livro, “O Cardeal”. Já tem projetos futuros em mente? Poderemos contar com mais aventuras do Afonso Catalão?

Sim, atualmente estou a trabalhar na reedição de O Espião Português, o meu primeiro livro, que a Cultura Editora prevê publicar até ao Verão. Quando terminar, irei passar imediatamente para o 6º livro da série Afonso Catalão, que deverá chegar às livrarias no início de 2022. Pelo caminho, ainda irei produzir mais uma temporada de O Assassino, o podcastque apresentei este ano inspirado em O Cardeal, seguindo-se a reedição dos restantes tomos da trilogia Freelancer, também em 2022.

 

Os leitores portugueses por vezes sentem receio em apostar em novos escritores. Se tivesse de caracterizar os seus livros numa só palavra para lhes suscitar a curiosidade, qual seria?

Bons. Não considero que os meus livros vivam de reviravoltas e descrições chocantes, apesar de alguns as conterem. Preocupo-me mais com a qualidade geral das histórias que crio. Prefiro ser conhecido pela qualidade dos meus livros e pela relação de confiança que estabeleço com os leitores, do que pelo sucesso comercial que possa vir a ter.

 

Vários leitores consideram-no o mestre do thriller português. Sente-se como sendo o nosso “Dan Brown”?

Não. Sou leitor do Dan Brown e conheço a sua obra bastante bem, mas acho que há diferenças significativas entre nós. A série Afonso Catalão é composta por thrillers psicológicos, enquanto os da série Robert Langdon, bem como os dois títulos anteriores, são thrillers de ação. Pensemos, por exemplo, em Pecados Santos, ou até mesmo em O Cardeal. Os enredos, que assentam num homicídio, são muito diferentes dos dos livros de Dan Brown.

2 Comentários

  • Patrícia Nortista Publicado 11 de Março de 2021 21:16

    Além de serem estilos diferentes, gosto muito mais dos livros do Nuno!
    Devorei-os! Ansiosa pelo próximo!

    • Nuno Nepomuceno Publicado 11 de Março de 2021 21:51

      Muito obrigado, Patrícia. 🙂

Adicionar Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os campos necessários estão marcados com *